Mostrando postagens com marcador Documentários. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Documentários. Mostrar todas as postagens

SEMENTES DE UMA INCLUSÃO – Um Documentário de Emílio Figueira


Toda história da humanidade ou de uma pessoa, teve um começo. Após vários anos pesquisando, escrevendo e falando sobre nós, pessoas com deficiência, resolvi fazer o caminho de volta. Fui atrás dos personagens que foram as sementes de minha Inclusão Social e Escolar nos anos 1980, dando-lhe voz aos amigos de minha infância inclusiva e aos personagens de minha inclusão escolar d uma época que nem se quer sonhávamos com a Educação Inclusiva!




CRÉDITOS

Música:  You Make Me Feel Good – Jingle Punks E Twinkle in the Night – Aakash Gandhi

Depoimentos: CARLOS ALBERTO SILVA SOUZA (Tripa), DONA KOTY, HELTON LUIZ TAVONI, LÍGIA ESTER FOLCHI MUCCI, MÁRIO FLÁVIO BERTHOLA NOGUEIRA (Maroca), MAURÍCIO ROGÉRIO TAVONI E ODAIR DA SILVA (Jiló)

Roteiro, Produção, Direção e Montagem: EMÍLIO FIGUEIRA

Narração: ANA LUIZA FIGUEIRA OCHIAI

Câmara e Produção: ALAN ROGÉRIO MORELI, HELTON LUIZ TAVONI, SÍLVIO MOREIRA

Pós-Produção: ALAN MORELI

Produção Executiva da Figueira Digital São Paulo – 2019

Compartilhe:

Noites Guaraçaienses – O Nascimento De Um Poeta

“Noites Guaraçaienses – O Nascimento De Um Poeta” narra a história de um escritor com deficiência motora que, 30 anos depois, volta a uma pequena cidade do interior para relembrar o lançamento do seu primeiro livro de poesias.

Reencontrando-se com vários personagens daquela época, eles reconstituem as memórias da infância e o inicio da adolescência do jovem poeta e a sua obra, tendo como pano de fundo as consequências positivas de sua inclusão escolar, social e profissional para os dias atuais.


Documentário “O Corpo (D)eficiente que Dança”

Amigos, quero muito indicar para vocês este lindo documentário que acabo de assistir e me emocionei muito pelos depoimentos, pela qualidade do trabalho e edição!

E me orgulho demais em ter duas participações falando neste trabalho de conclusão de curso de alunos de Graduação em Jornalismo da Universidade Anhembi-Morumbi, Sarah, Larissa e Léo. Vejam abaixo a ficha completa da equipe.


Emílio Figueira – O Verdadeiro Palco Das Inclusões

Questionando a existência do impossível, Emílio Figueira fala neste vídeo que nossas realizações são apenas uma questão de perseguirmos aquelas coisas que não nos achamos capazes de conquistar. Usa como ilustração uma experiência que ele teve como ator do espetáculo “Cidade Cheia de Graça”, um marco cênico na história da Inclusão no Brasil em 2013.


Documentário “Profis Sem Ponto Final”

Vídeo histórico de 1998, foi o primeiro roteiro institucional de Emílio Figueira a ser produzido. Ele conta o início da história da Sociedade de Promoção Social do Fissurado Lábio Palatal – PROFIS, entidade de direito privado com fins filantrópicos, destinada a prestar assistência social aos pacientes em tratamento no Centrinho, o Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, da USP, Bauru.


Emílio Figueira lança o documentário "1981 – O Início Da Minha História Inclusiva"

Qual a diferença que um professor pode fazer na vida de um aluno com deficiência que está sendo incluído? Para muitos pode parecer apenas mais um aluno em sala de aula em processo de aprendizagem. Mas dependendo do carinho e dedicação desse professor, ele poderá estimular e lançar esse aluno para uma vida de possibilidades!

Ao produzir o documentário “1981 – O Início Da Minha História Inclusiva”, tendo a minha própria caminhada como foco central, eu quis mostrar justamente isto.  O quanto foi importante para mim o fato de um professor ter me incluído em um grupo escolar normal, abrindo-me caminhos por meio dos estudos, possibilitando-me a atingir o que sou hoje.

Dono de muitas histórias para contar, Mário Flávio Berthola Ramos Nogueira, o Professor Maroca, lecionou durante 33 em escolas estaduais paulistas.  Nos anos 1970 e 1980, quando a palavra inclusão ainda nem se quer era cogitada, Maroca promoveu dois bem-sucedidos casos de inclusão escolar. E um deles foi o meu!



Só que por motivos técnicos, o primeiro caso não entrou na edição do documentário.  Mas com muita satisfação, vou descrevê-lo:

Nos anos 1970, o professor Maroca morava vizinho a um casal de padeiros que tinha um filho com os dois pés virados para dentro e não conseguia andar. Naquela época isso já era suficiente para uma criança não ter o direito de frequentar uma escola normal. O professor ficou incomodado, questionando-se: “Como pode, esse menino já é quase um rapazinho e vai crescer analfabeto? Como ele vai arrumar um serviço quando adulto?”

O Maroca pediu autorização aos pais e começou a levar o menino no colo para a escola. Teve que enfrentar a diretoria que não queria um aluno com deficiência. Assumiu toda a responsabilidade por ele, o carregava para o banheiro e recreios. Depois o levava de volta para sua casa. O garoto teve um satisfatório desempenho pedagógico. O professor Maroca tinha um fusca na época e, às vezes, passeavam juntos pela cidade, ensinando ao garoto muitas outras coisas.

O estudante terminou a primeira série e fez a segunda também com o professor Maroca. À partir da terceira, o garoto foi para outra classe com outra professora e o seu próprio irmão passou a levá-lo à escola. Mas por complicações de saúde, o jovem veio a falecer no meio do ano. E, durante a entrevista, com a certeza que fez a coisa certa, o professor Maroca me disse: “Pelo menos, ele faleceu bem alfabetizado e sabendo fazer qualquer conta!”

Por esses dois exemplos, posso dizer com toda na segurança que o melhor caminho que um professor pode ter para promover a Educação Inclusiva sempre será o caminho do coração!

Quero fazer dois agradecimentos especiais para a realização deste documentário: ao meu amigo e irmão Helton Luiz Tavoni por ter filmado a entrevista e ao editor de vídeo e cinegrafista Gilberto Pereira, que gentilmente limpou os ruídos do áudio

EMÍLIO FIGUEIRA – FAZENDO PIRRAÇA COM A VIDA

Amigos, montei este vídeo com uma das minhas principais crônicas, publicada na Folha de S.Paulo, onde eu revelo alguns dos mecanismos que me movem. Peço que reserve alguns minutos para assisti-lo, pois, ao final, faço algumas considerações que desejo compartilhar com você! Narração: Helton Tavoni