Mostrando postagens com marcador Centrinho/USP. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Centrinho/USP. Mostrar todas as postagens

A Fábrica De Sorrisos: Uma Novela Literária Quase Real!

Continuando a proposta de distribuir gratuitamente obras científicas e literárias de Emílio Figueira, A FÁBRICA DE SORRISOS – UMA NOVELA LITERÁRIA QUASE REAL! é um trabalho experimental desse autor, misturando ambas as áreas e que ficou vinte anos engavetado, podendo agora ser lida gratuitamente.

No enredo Regina, recém-formada em serviço social, vai estagiar no Centrinho, uma instituição hospitalar com objetivo de prestar assistência interdesciplinar às pessoas com malformações congênitas labiopalatais, dismorfias craniofaciais mais complexas, deficiência auditiva, visual, distúrbios da linguagem e deficiência múltiplas, dentro de padrões técnicos e científicos exigidos para cada caso, independente de condições econômicas, cor, raça e nacionalidade.

Lá um bebê com fissura labiopalatal é abandonado pela mãe biológica e adotado por Regina e seu marido. A história mostra todo tratamento e reabilitação global da criança, além de toda a rotina humanizada do hospital.

Ao longo da narrativa outros personagens com e sem deficiências vão entrando e mostrando vários aspectos clínicos, sociais e movimentos de pessoas com fissuras labiopalatais pouco percebidas, mas lutando por direitos e espaços na sociedade.


Outro destaque da obra é a capa, reprodução do quadro “O Centrinho”, 1m x 1,20m, óleo sobre tela, pintado pelo próprio Emílio Figueira em 2000 e que hoje pertence ao acervo do Hospital.

“A escrita de “A Fábrica De Sorrisos”, foi fruto do trabalho prático do projeto. Embora essa obra seja baseada em depoimentos e documentos reais, principalmente em textos produzidos pela área de Serviço Social de HRAC/USP da época, as personagens e enredos são todos fictícios, elaborados a partir de teorias de criação, tendo como base o estilo novela literária e a Escola Literária Realismo/Naturalismo. Hoje com um cunho quase histórico por ter sido escrita há vinte anos atrás, todo o seus contexto representa a realidade e realizações daquela época”, destaca Emílio Figueira.

COMO BAIXAR GRATUITAMENTE

CLIQUE AQUI aqui e uma nova aba se abrirá com a versão do livro em PDF

Salve o arquivo em seu computador e BOA LEITURA!

OBS: Caso você deseje adquirir a versão impressa CLIQUE AQUI

Os Vários Aspectos Que Envolvem As Fissuras Lábio-Palatais E A Vida De Seus Portadores

Primeira página da separata do artigo publicado
Texto original do artigo publicado na Revista Temas Sobre Desenvolvimento, v. 6. número 34, 1997. Veja a separata da publicação clicando aqui

I – FATOS HISTÓRICOS

Os registros de pessoas com lesões lábio-palatais são os mais remotos… No século I da Era Cristã, ocorreram os primeiros relatos de casos de fissura labial, mas o primeiro tratamento cirúrgico documentado, foi no ano de 390 d.C., na China, realizado por um físico, que somente trezentos anos mais tarde passou a ser considerado “doutor em lábios”. Já no final do primeiro milênio, o considerado como o maior cirurgião da escola árabe, Albucasis(in: Lofiego, 1992), utilizou-se a cauterização para reduzir a surdez. Esse mesmo método era utilizado e preferido por cirurgiões turcos, quinhentos anos depois.

No Egito, Smith e Dawson(in: Lofigo, 1992) encontraram uma múmia com fissura. Pierre Fraco(in: Lofigo, 1992) , em 1556, descreveu detalhadamente a operação de Ambroise Parré, sendo que dois anos depois pela primeira vez ilustrou-se o procedimento. E foi com o advento da anestesia as técnicas tiveram um grande avanço. E a primeira referência moderna de fechamento de uma fissura de palato mole é creditada a Le Monnier(in: Lofigo, 1992) .

Outros autores contam que na civilização Inca, há alguns séculos passados, era festejada a criança que nascesse com fenda no lábio superior. Não sendo considerada como um defeito físico, a anormalidade era tida como um ornamento dos mais valiosos e seus portadores exibiam com orgulho o que chamavam de “lábio de lebre”. Porém, segundo a história oficial, os Incas constituem uma exceção, portanto a maioria dos povos antigos, conta-nos os historiadores, viam aos portadores de malformações físicas, eram chamados realmente de “aleijões”. Dos tempos mais remotos aos dias atuais, sempre existiu o conceito popular dirigido a injusta ideia que “quando Deus marca alguém, alguma coisa tem”. De um modo geral, essa crença sintetiza uma forma errada de ver um fato real, pois querem supor com essa sentença que as pessoas portadoras das mais variadas deficiências e deformidades físicas também são deformados moralmente.

Vale destacar que nos meados de século XVI, iniciou-se a luta pelo estabelecimento se uma especialidade médica que tratava de ossos. Nessa luta Ambroise Paré (1510 a 1590) dono de uma notável experiência, teve um papel relevante. Dentre outras tantas coisas realizadas, Paré foi o cirurgião que lançou a expressão “Bec de Lievre” (entre nós “lábio leporino”) e chegou a preparar obturações palatais para perfurações traumáticas de ordem sifilítica ou congênita.

De um modo geral, segundo Jecquilinne Lanza Lofiego, pode-se dizer que os métodos operatórios antigos nunca deram resultados satisfatórios, pois as cirurgias das fissuras lábiais são discretas desde a Antiguidade, mas as referências das fissuras maxílo-palatinas datam, apenas, de dois séculos. Em 1764, Le Monnier comunica um caso de sutura do véu palatino com êxito. Em 1779, Bartolomeu Eustachio(in:Silva,1987) chama a atenção sobre uma disfagia  e uma disfonia nas fissuras palatinas.

Lofiego explica que “o real processo do conhecimento das lesões, dos distúrbios e dos procedimentos terapêuticos somente aconteceu nos últimos cinquenta anos, com o  aparecimento da Logopedia, cujo desenvolvimento desembocou na Fonoaudiologia, possibilitando o atendimento  dos  lesionados, especificamente quanto as distúrbios da comunicação que apresentam altos índices nos pacientes fisssurados. Kriens, em 1969, foi o primeiro a chamar a atenção para a anatomia muscular distorcida que o paciente com fissuara patatina aprersenta. Nos últimos anos, com o aprimoramento das técnicas cirúrgicas, os cirurgiões buscam o desenvolvimento complexo facial e com isso um bom resultado operatório final, visando a integração do paciente com o meio através de sua fala. Tendo como ponto-chave a reabilitação oral do paciente para a fala e não a aparência estética”.

II – EXPLICAÇÕES CIENTÍFICAS

Segundo Lofiego, “as fissuras de lábio e/ou palato constituem uma malformação congênita que ocorrem em períodos embriológicos diferentes e acarretam uma série de sequelas que podem acompanhar o portador durante toda a vida. A alteração morfólogica manifestada clinicamente é variável, podendo envolver o lábio (fissura pré-forame incisivo), o palatal (fissura pós-forame incisivo) ou ambos (fissura trans-forame incisivo)”.

As informações que seguem, são do professor Dr. José Alberto “Gastão” de Souza Freitas:

“As malformações congênitas de lábio e de palato constituem grave problema médico-odonto-social, ocupando lugar de destaque dentre os demais processos patológicos de mesma natureza.

“Como as demais malformações da face, as do lábio e do palato, só encontram explicação para seu mecanismo de formação através de embriologia.

“Estudando resumidamente o desenvolvimento embriológico da face, verifica-se que, no embrião de 10 a 15 dias, tem início o esboço da boca, representado por uma depressão mediana. Essa depressão ou imaginação é cervicada por cinco saliências, que são os brotos faciais primitivos: botão frontal mediano, botões maxilares e botões mandibulares, sendo os dois últimos bilaterais e simétricos.

“Aproximadamente ao 30º dia, processa-se a subdivisão do botão frontal em três brotos: dois laterais (naso lateral) e um mediano (naso medial). Neste período, os botões mandibulares reúnem-se na linha madiana. Na parte inferior do brotão mediano (naso medial) surgem duas saliências que constituem os processos globulares. Entre os 35 e 40 dias, os brotos maxilares avançam medialmente até se reunirem na linha mediana com o broto mediano (processos globulares) para completar a formação do lábio. A partir desses conhecimentos de embriologia torna-se fácil compreender a formação das malformações congênitas lábio-palatais.

“As fendas do lábio apresentam múltiplas variações a partir de um simples entalhe no vermelhão até o comprometimento desde assoalho da narina à arcada alveolar inclusive. Podem ser uni ou bilaterais e são resultantes da falta de coalescência dos botões maxilares com o processo globular (derivado do botão naso-medial ou mediano) que dá origem às fendas de lábios incompletas e, do processo globular com o lateral (naso-lateral) e o maxilar, que dá origem às fendas de lábio completas.

“A falta de coalescência dos processos globulaes entre si é responsável pelo aparecimento da fenda mediana ou lábio leporino mediano simples.

“Ao defeito do lábio associam-se deformidades nasais que são manifestadas já na vida infra-uterina e são resultantes da falta de equilíbrio das formas musculares.

“As fendas do palato aparecem por falta de fusão dos processos palatinos e pterigopalatinos entre si, constituindo da mesma maneira que as fendas labiais em uma anomalia multidimensional caracterizada por diferenças de extensão anatômica em comprimento e largura da fenda. Em geral é mediana. Pode-se situar somente na úvula (úvula bifida), estender-se ao palato mole em distâncias variáveis ou, como é mais comum, envolver também o palato duro. Nestes casos de maior amplitude produz uma comunicação direta entre as cavidades bucal e nasal (goela de lobo).

“Finalmente as fendas do lábio e do palato aparecem por falta de união das partes mais profundas do botão naso-medial (processo globular), botão maxilar e processos palatinos. Constituem-se nas formas mais graves”.


Detalhe: Carta enviada pelo Superintendente do Centrinho por ocasião da publicação do artigo.


III – INCIDÊNCIAS E ESTATÍSTICAS

As malformações congênitas lábio-palatais situam-se entre o 3º e 4º defeito congênito mais frequente, sendo que em nosso meio parece ocorrer na ordem de grandeza de um para cada 650 nascimentos. Se levarmos em conta o Senso do IBGE de 1991, o Brasil tinha uma população de 146.917.459 habitantes, cuja 226 mil eram portadores de fissura lábio- palatais. Naquele ano foram registrados 3.722.888 nascimentos vivos, o que nos leva a estimar o nascimento de aproximadamente 5.727 mil portadores de fissura por ano, 477 por mês e 16 por dia no Brasil.

Segundo o professor Souza Freitas, “o aumento na incidência dessas malformações encontra justificativa no baixo índice de mortalidade pós-natal nestes últimos anos. Não é, porém, a única explicação. O progresso da técnica cirúrgica e dos cuidados extracirúrgicos permitiram melhor êxito estético-funcional, tornando-se mais vinculados à sociedade; os pacientes se casam e transmitem as deformidades, uma vez que a hereditariedade é responsável pelo seu aparecimento, em 30% dos casos”.

Diferença de raça e sexo afetam as estatísticas. A ocorrência em uma criança branca é de mais ou menos um para cada 700 nascimentos, enquanto para a população negra é de um para cada 2.000 nascimentos. As fissuras do lábio e do lábio e palato são mais frequentes no sexo masculino, enquanto as fissuras somente de palato ocorrem mais frequentemente no sexo feminino. A incidência cresce com a presença de familiares fissurados nas seguintes proporções:

– pais normais = 0,1% de chance de ter filhos fissurado;

–  um dos pais fissurados = 2% de chance de ter um filho fissurado;

– pais normais e um filho fissurado = 4,5% de chance de ter outro filho fissurado;

– um dos pais e um filho fissurado = 15% de chance de ter outro filho fissurado.

IV – TRATAMENTOS, ASPECTOS PSICOLÓGICOS E INTEGRAÇÃO SOCIAL

Se verificarmos a história, a biografia do grande pintor Guignard, nascido em Friburgo, em 1895, dá conta da via cruz que foi a sua vida, repelido e ridicularizado pela sociedade por ser um fissurado. São fatos como esse, presentes ainda nos dias atuais, que tenta-se evitar através do tratamento desde o nascimento e/ou até a fase adulta, independente da idade do paciente. Em bebês, começam a partir dos três meses as diversas internações cirúrgicas de fechamento do lábio e recomposição do palato. Ao longo do tratamento à luz da análise genética da família a odontologia recupera a arcada dentária, a otorrinolaringologia e a fonoaudiologia corrigem as distorções auditivas e fonovocais, enquanto se intensificam os cuidados para prevenir e curar infecções respiratórias às quais a crianças fissuradas é mais susceptível. Enfim, é um tratamento lento e intenso de reconstrução orgânica e psíquica para remover as barreiras físicas e sociais que entravam o desenvolvimento do paciente.

Paralelo ao tratamento cirúrgico, no esforço de reintegração é fundamental a realização de uma série de atividades esportivas, recreativas que estimulam a socialização e a desinibição, fazendo emergir as potencialidades de cada um, anuladas ou camufladas pelo complexo. Uma das iniciativas mais estimulantes utilizadas, é o teatro onde tudo, do texto à adaptação das roupas e adereços, confeccionados a partir de sucata recolhida em diversos lugares é feito pelos pacientes.

Na maioria das vezes, a presença dos problemas das fissuras lábio-palatais acarreta numa série de distúrbios estéticos, foncionais e psíquicos. Segundo o professor Souza Freitas, as primeiras manifestações de insatisfação estética aparecem quando a criança percebe que o aspecto de seu resto é diferente. Isto ocorre em média a partir dos dois anos e meio de idade. Este primeiro impacto se esvai, não sem deixar marcante brecha no subconsciente.

Já o segundo choque dá-se quando desabrocham as tendências de sociabilidade, processo mais que normal na vida de qualquer pessoa. Resulta das necessidades de conviver com outras crianças, da tendência natural e irresistível de participar dos agrupamentos infantis. Surgirão as curiosidades das outras crianças observam e indagam ao portador as razões das malformações. A consequência primária e lamentavelmente leva ao isolamento espontâneo, a abstenção do convívio em grupos, é a segregação voluntária.

O ingresso a escola, na fase dos sete anos, caracteriza-se no terceiro período crítico. Inicia-se uma luta íntima da criança, porque sente a necessidade de aprender e, tem que vencer o constrangimento de se apresentar entre as outras pessoas. Porém, nesta idade não é só curiosidade das outras crianças que cria um ambiente desagradável; além disso, o espírito de crítica, que já começa a desabrochar com sua forma mais contundente, que é apelido. Aqui haverão algumas reações distintas ou desencadeia-se um sentimento de revolta, ou um alheamento e indiferença pelos atrativos do meio. Fácil imaginar que assim ocorra, pois a criança, desde que sinta alvo de zombaria ou mesmo do rejeição por parte dos companheiros e adultos, tende a isolar-se, preocupada cada vez mais com o seu problema, que procura disfarçar ocultando-se ou escondendo a parte afetada, que tenta cobrir com a mão ou enfiando o dedo na boca.

Ainda referente ao meio escolar, as crianças com malformações ou cicatrizes, são frequentemente encaradas como “defeituosas”, o que pode se associar ao conceito de serem intelectualmente inferiores por seus colegas e até pelos seus professores. Segundo alguns autores especialistas na área, “os professores subestimam a capacidade intelectual das crianças portadoras de fissura lábio-palatal e essa expectativa inferior pode ser transmitida à criança, rebaixando seu próprio nível de expectativa e realização”. Problemas de inter-relação dessa natureza, pode gerar na criança um sentimento de insegurança e hostilidade para com o meio que a cerca. Consequentemente, ela será tímida, retraída, inibida, insegura, dependente, apresentando dificuldades em participar de atividades sociais e de se relacionar com pessoas estranhas ao seu ambiente, principalmente na escola, onde a competição está sempre presente. Em outros casos, a o problema daquelas crianças que mudam constantemente de escolas, tendo que se ajustar a vários grupos de coleguinhas que podem estranhá-la e/ou criticá-la.

O problema e “grilos” pessoais podem se agravar durante a adolescência. Os psicólogos são unânimes ao afirmar para um jovem, ser “diferente” implica em ser “inferior”. Segundo é citado em um dos trabalhos de Mesquita(1991), “os jovens portadores de fissura, tendem a manter conscientemente imobilidade facial, com a finalidade de evitar a formação de expressões que seriam consideradas grotescas. Frequentemente tentam manter contato de olho para fazer com que a pessoa que olha, focalize na parte não afetada do rosto, particularmente, os olhos. Alguns tentam fazer com que as pessoas que olham se fixem no que elas estão dizendo. Uns poucos se tomam de uma fobia contrária, entram correndo e fazem piadas sobre si mesmo, insistindo em serem vistos como nas luzes de um palco. Eles desafiam-se em uma luta para desenvolverem um sentimento de valor e competência”.

Durante a infância, a criança portadora de fissura lábio-palatal, coloca toda a sua confiança em seus pais, mais do que no serviço de especialistas que atuam em seu tratamento. Já chegando na adolescência, o portador necessita de maior segurança do que aquela dada pelas confidências paternas, principalmente naquele ponto onde o tratamento chega à parte estética – a adolescência. É na adolescência que começamos a valorizar mais o nosso corpo, começam as vaidades normais desse período e intensificam as relações existenciais e amorosas. As pessoas estão em presente transformação, tanto no corpo como na mente. As perspectivas para esta época de vida são difíceis e confusas, principalmente com relação ao processo cirúrgico. O portador de fissura lábio-palatal pode estar acostumado a ter o seu rosto como centro das atenções e suas perspectivas podem estar distorcidas além do que, geralmente na adolescência, sua ansiedade aumenta com relação ao tratamento – quanto tempo vei demorar? Como vou ficar?, são indagações inevitáveis.

Pesquisados sobre o relacionamento amoroso na vida adulta, verificou-se que os pacientes com fissura lábio-palatal, encontram dificuldades em iniciar um namoro quando adolescente, alguns por seu problema de aparência e outros por se absterem da vida social. Uma pesquisa revelou que um maior número de pacientes com fissuras ficaram solteiros, comparados com pessoas sem fissuras e quando se casaram, o fizeram com idade mais avançada, mais tardiamente que os não fissurados.  De um modo geral, essas pessoas não estão satisfeitas com sua vida social, sendo o seu círculo de amizade é limitado; eles são mais observadores do que participantes ativos; segundo a psicologia afirma, suas preferências tentem para o isolamento e a pratica de atividades que não exigem a presença de outras pessoas, tais como, ouvir música, assistir TV, leitura, dentre outras coisas.

No setor profissional, muitas vezes ele poderá ser prejudicado por uma falta maior de escolaridade (pois muitos abandonam os estudos, devido ao seu problema), além de ter que conciliar as suas atividades com o tratamento.

De um modo geral, segundo Graciano, os preconceitos da comunidade e da família quanto a capacidade e inteligência do portador de fissura, assim como o desenvolvimento de sua problemática e dos procedimentos necessários para sua reabilitação, quer por parte dos educadores ou empregadores, geram estigma. Por isso, “o assistente social e o psicólogo, exercem uma função decisiva na completa reabilitação do portador de fissura lábio-palatal, cujo âmbito de ação ultrapassa a intervenção cirúrgica, pois previnem e tratam dos problemas psico-sociais, acompanhando, orientando e apoiando não só o paciente, como também seus familiares, em suas ansiedades, expectativas e reações diante da fissura, preparando-se para um comportamento normal, consciente e sadio”.

Segundo o professor Souza Freitas, apesar das vicissitudes por que passam, muitas e muitas crianças chegam à idade adulta sem o menor tratamento. Não é difícil imaginar as complicações que vão surgindo com o tempo, à medida que o corpo vai crescendo. Perturbações físicas e psicológicas agravadas pelas crises naturais da adolescência e depois da busca de trabalho, pelo desespero de quem se vê muitas vezes rejeitado tão somente por apresentar um defeito estético ou por sofrer as consequências da falta de tratamento precoce.

De maneira abrangente, a reabilitação dos portadores de fissura lábio-palatais, depende de fatores como: extensão de lesão, a idade que iniciou o tratamento, o seguimento e a assistência integrada da equipe multidisciplinar composta de: cirurgião plástico, pediatra, clínico geral, otorrinlaringologista, geneticista, odontólogo, psicólogo, fonoaudiólogo, fisioterapeuta, enfermeiro, nutricionista, recepcionista, assistentes sociais, dentre outros menos comuns.

V – A PARTE FAMILIAR

Na totalidade todas as mães esperam o nascimento de bebês “prefeitos”, idealizando a perfeição da futura criança desde a gravidez imaginando seu rosto e gestos; escolhendo o melhor nome e muitas vezes preparando o enxoval a fazer do futuro bebê nos melhores moldes que a publicidade ensina: saudável, belo e alegre! Após nove meses da espera e da expectativa, vem a frustração: não há lábios; há uma fenda, que esconde um sorriso que ela não consegue enxergar. Assim, será necessário vencer algumas etapas…

Segundo o Setor de Psicologia do Centrinho, a primeira fase é o Choque. É a reação que o fato inesperado provoca: a surpresa, o impacto do desconhecido. Em muitos casos esse choque é muito intenso e de curta duração, pois as fases posteriores ao choque podem ser mais duradouras, porém menos intensas.

A segunda fase é a Recusa. Esta recusa não é necessariamente à criança, “é a recusa em crer naquilo que está acontecendo com ela, mãe, por gerar algo não perfeito”, explica uma das psicólogas* do HPRLLP. Nesta fase surgem as perguntas: “Por que eu?”, “Por que comigo?” E assim nega-se a realidade dos fatos.

Depois vem a fase da Angústia. Surgem então os estados de depressão, a ansiedade. Neste período, os sentimentos começam a se delinear melhor, porque dá para identificar o que a mãe sente. Começa a surgir a expectativa quanto ao futuro da criança, com perguntas do tipo: “O que vai ser daqui para a frente?”, “O que vou ter que passar com essa criança?”. Segundo a psicóloga, “a mãe prevê as problemáticas sociais, de relacionamento, tratamento e outras. É toda a dificuldade concreta de relacionamento, tratamento e outras. É toda a dificuldade concreta que ela vai ter que enfrentar, que começa a ser percebida, não mais fugindo de realidade. A mãe se confronta com dados reais”.

A próxima fase é a da Adaptação, quando a família começa a aceitar a nova realidade. Todavia, não se trata da aceitação total e absoluta do problema, mas sim da aceitação da realidade, quando as mães geralmente pensam: “O meu filho tem uma malformação e é isso que existe de fato”. Nesta fase, há um amadurecimento dos sentimentos, há mais racionalidade e a meta é conviver e ultrapassar o problema. Esse ultrapassar acontece na última das fases, que é a da Reorganização. “A mãe começa a tirar uma experiência positiva de tudo o aconteceu e direciona-se para viver a vida com a plenitude que deve ser vivida. Vê o ser humano que foi gerado, não a fenda ou a falha”, lembra a psicóloga, que para ajudar na exemplificação, conta o caso de uma mãe que a consultou recentemente:  “Essa mãe ficou sabendo da malformação do filho ainda na fase de gestação. A sua negação e rejeição eram muito grandes e hoje, depois de cinco meses do parto, encontra no filho a principal razão de viver”.

Mas, segundo a psicóloga, embora sejam distintas, as fases não são estanques e podem acontecer entre o final de uma e o início da outra. Também não é possível precisar o tempo de duração de cada uma delas. “Uma pessoa pode demorar três dias para se reorganizar, como poder ser trinta anos”, comenta a psicóloga, com 15 anos trabalhando com esse tema no Centrinho. Para ela, a família tem um papel importante no processo de reorganização e “quando melhor for o `astral’ dessa família melhores serão os resultados”. No Centrinho, as principais preocupações iniciais das mães são, pela ordem: modos de alimentação, cirurgia e desenvolvimento posterior da criança.

O Setor de Psicologia do HPRLLP, orienta as mães, ou futuras mamães, que venham a se deparar com uma situação semelhante, para que procurem descobrir o filho real que está atrás das aparências. “A mãe que se prende muito no concreto e que olha para a criança e vê uma fenda nos lábios ou uma falha física tem uma dificuldade maior de criar um vínculo positivo com a criança. Ao contrário, a mãe que presta mais atenção nas reações da criança começa a descobrir que seu filho não se resume ao problema físico aparente, o que promove a reorganização com mais facilidade”, frisa a psicóloga.

Além dos aspectos psicológicos, há também os sociais. As famílias de nível social mais baixo, mesmo sofrendo com o choque inicial de ter um filho com uma deficiência de malformação, devido a sua condição precária e uma formação cultural mais humilde, aceitam a realidade com mais facilidade. Muitas vezes, acreditam que nada podem fazer para melhorar (reabilitar) o seu filho, motivo que as lavam a buscar explicações em superstições, crenças populares ou valores teológicos, já que é mais fácil aceitar a ideia de que o acontecido está de acordo com a vontade de Deus. Segundo Oliveira, “a situação econômica, nível de compreensão, ambiente social e resignação ante à vontade de Deus, levam os pais a aceitarem com naturalidade a lesão, acostumando-se a conviver com a criança tal com ela é”. Geralmente, essas pessoas não procuram tratamentos especializados para os seus filhos, devido os problemas e dificuldades no sistema de saúde oficial e a falta de informações específicas neste sentido, imaginam e visualizam sérios e incontornáveis problemas, que podem resultar na procura do nada. “A este raciocínio, comum em nossa população menos favorecida, deve ser imputada a desistência da busca do tratamento, justificando a alta porcentagem de pacientes não tratados”, Oliveira.

Já nas famílias de poder aquisitivo mais elevado, ocorre o contrário: a busca de tratamento cirúrgico é praticamente imediatista esquecendo-se inclusive, que a criança poderá enfrentar sérios riscos. O desespero é tal que os pais nem sequer exigem cirurgiões especializados na área, o importante é eliminar a fissura; não importa como. Oliveira explica: “Isto porque existem um trauma social: como comunicar? Como mostrar aos amigos o filho que nasceu fissurado? Os pais e familiares mais íntimos, muitas vezes, condicionam as visitas somente após o tratamento cirúrgico, que se transforma no elemento salvador e dissipador de todos os problemas sociais decorrentes. (…)É um quadro completamente diferente; não existem superstições e nem crenças, surgindo então as dúvidas entre os pais, cada qual podendo suspeitar que o outro membro do casal traga em si\6 a tara, ou martirizando-se com a ideia de ser ele mesmo o portador. É claro que não existe culpa, mas o fato acarreta em geral repercussões extremamente danosas à criança, que é recebida no lar sob tensão”. Fatos como esses podem influenciar no desenvolvimento social e emocional do portador de fissura lábio-palatal.

__________________

* A psicóloga citada, trata-se de Maria Cecília Chinelatto Pimentel, responsável pelo Setor de Psicologia do Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais. Ela concedeu entrevista ao jornalista Luiz Victoreli, para a matéria “O choque diante de um filho imperfeito”, publicada no Jornal da USP, de 17 a 23/10/94.

_________________

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS



GRACIANO, M.I.G De cliente a gerente, os pais coordenadores e sua ação multiplicadora num programa de reabilitação de lesões lábio-palatais. São Paulo; PUC, 1988.

GRACIANO, M.I.G. et al. Participação, mobilização e organização popular à causa das lesões lábio-palatais. Bauru, HPRLLP, 1990, 51 P.

LOFIEGO, J.L. Fissura lábio-palatais (avaliação, diagnóstico e tratmento). Rio de Janeiro; Revinter, 1992.

MESQUITA, S.T. As repercussões sociais das malformações congênitas lábio-palatais no cotidiano de seus portadores. Relatório final CNPq/HPRLLP, Bauru, São Paulo, 1991.

OLIVEIRA, V. de A. Aspectos bio-psico-sociais das malformações congênitas lábio-palatais. CBCISS, Rio de Janeiro, v. 3, nº 4, 1981. p. 1-10 (Coleção Zeny Miranda)

SILVA, O.M. A epopéia ignorada. A pessoa deficiente na história de ontem e de hoje. São Paulo; CEDAS, 1987.

SOUZA FREITAS, J.A. de. Centro de pesquisa e reabilitação de lesões lábio-palatais. FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU-USP, outubro de 1973.

SOUZA FREITAS, J.A.; BROSCO, H.B. & FREITAS, P.Z. Malformações congênitas labio-palatais: fundamentos de reabilitação (Esperiência hospitalar na área das emofias craniofaciais). HOSPITAL – Administração e Saúde – vol. 18 nº 4 – julho/agosto l994.

Atividades de Emílio Figueira no Centrinho

Relatório geral com todas as atividades realizadas nos seis anos em que Emílio Figueira permaneceu como pesquisador-bolsista no Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais – USP-Bauru. Documento apresentado ao Superintendente da época Prof. Dr. José Alberto de Souza Freitas (Gastão), em 03 de novembro de 2000.


Pesquisa:  “CENTRINHO: O RESGATE E PERPETUAÇÃO DE SUA HISTÓRIA E ATUALIDADE” – 1994/1995

Ao iniciarmos nossa trajetória pelo Centrinho, em março de 1994, realizamos a pesquisa “CENTRINHO: O RESGATE E PERPETUAÇÃO DE SUA HISTÓRIA E ATUALIDADE”, onde relatamos toda a história do Hospital. O trabalho durou quase dois anos, sendo assim enumerados passo a passo cada fase da pesquisa:


  1. Nosso primeiro passo foi analisar, em 1994, um vasto acervo histórico existente na Unidade de Ensino e Pesquisa-UEP, constituindo-se de matérias publicadas em jornais e revistas. Deles, selecionamos e xerocamos aproximadamente 222 artigos que, organizados por datas, ofereceram 90% das informações de nosso texto final:
  2. Nesse período também, fizemos um levantamento geral das edições de extinto jornal “NOTÍCIAS DO CENTRINHO”, chegando inclusive a entrevistar a sua jornalista-responsável, Mariane Ramalho, assessora de imprensa da USP/Bauru;
  3. Nessa fase também pesquisamos e lemos outros materiais existentes na UEP, tais como, teses, livros e artigos científicos referentes às fissuras lábio-palatais e a vida de seus portadores;
  4. Pesquisamos também, dados sobre a pessoa e carreira do Prof. Dr. José Alberto de Souza Freitas (Tio Gastão), superintendente do HPRLLP;
  5. Uma pequena matéria referente ao desenvolvimento de nossa pesquisa foi publicada no “Noticampus”, boletim informativo do Campus USP Bauru – ano VI – número 29 abril/maio de 1994;
  6. Foram trocadas algumas correspondências com pessoas ligadas com a história do Centrinho e, principalmente, várias Comunicações Internas com o nosso orientador, no sentido de informar os nossos passos e também solicitar novas orientações;
  7. Nesse período a publicação de três artigos de nossa merecem destaque: “Dr. Zanini: Força amigo” (Folha de Cidade de Bauru, de 04 a 10 de junho de 1994), “Centrinho: Retrato de Muitos Retratos!” (Folha de Guaraçaí, 21/10/94) e, referente a um trabalho extra-muro do HPRLLP Lar Roselene: Um Exemplo Bauruense” (Folha de Guaraçaí, 22/04/95);
  8. Referente ainda ao “Lar Roselene”, na ocasião de sua criação pelo Centrinho e conjunto com a Universidade do Sagrado Coração-USC, fizemos a doação do original do nosso romance “SEGREDOS DO BUG AMARELO”, cuja renda de sua venda seria revertida para a entidade;
  9. Colaboramos em março de 1995, fornecendo informações sobre a História do Centrinho ao senhor Luciano Dias Pires, (Diretor do Departamento de Proteção ao Patrimônio Cultural, da Secretaria Municipal da Cultura), ocasião onde o mesmo preparava às atividades do Centenário de Bauru;
  10. No período redigimos o original do nosso livro com 207 folhas, submetendo-o a análise do nosso orientador;



  • Para escolher o seu título, com o apoio do Setor de Eventos, realizamos um Concurso em junho 1995 aqui no Centrinho. Contando com algumas personalidades na comissão julgadora, a vencedora foi uma funcionária do Setor de Recreação, com o título “Nem São Francisco Sabia…” Depois, por um complemento nosso, o título ficou: “Nem São Francisco Sabia… (Fragmentos do história do Centrinho de 1967 a 1995)”;
  • Posteriormente, em 1997, participando do “Projeto 30 Anos”, no Setor de Eventos, onde fornecermos dados históricos a um CD-RUM, à TV-Centrinho e publicamos alguns artigos na coluna “Espaço Aberto” do Diário de Bauru;
  • Também, baseado em parte de nossa pesquisa (item 03), escrevemos o artigo-científico “Os vários aspectos que envolvem as fissuras lábio-palatais e a vida de seus portadores” (15 páginas), via a ser publicado.



Projeto: “DEFICIÊNCIA E COMUNICAÇÃO SOCIAL: DIVULGAÇÃO E NORMALIZAÇÃO” – 1997

Em 1996, iniciamos oficialmente a pesquisa “DEFICIÊNCIA E COMUNICAÇÃO SOCIAL: DIVULGAÇÃO E NORMALIZAÇÃO”, concluindo-a no ano posterior.

O estudo que realizamos neste campo, teve início em 1990 por nossa iniciativa pessoal, com o título “As pessoas portadoras de deficiência e sua imagem nos meios de comunicação de massa”, ocasião que começamos a realizar um levantamento bibliográfico e trocar correspondências com mais de 150 pessoas e estudiosos ligados ao tema no Brasil e exterior. Entre esses contatos, destacamos a forte relação que tivemos com a Real Patronato de Prevención y de Atención a Personas con Minusvalia, do Ministerio de Asuntos Sociales, Madrid-Espanha, país onde o tema é estudado com profundidade a quinze anos.

Em 1996, a mesma passou a ser a nossa pesquisa oficial aqui no HPRLLP, através do Centro de Divulgação Científica-CDC, recebendo a atual denominação. Por este motivo, iremos descrever a seguir todo o desenvolvimento de nosso estudo desde o seu início.


  1. TABLOIDE: Nossa primeira experiência foi como “Assessor de Imprensa” da Associação para Integração Escolar da Criança Especial – APIECE-Bauru, ocasião em que publicamos dois números (agosto e dezembro de 1990) do jornal-tabloide “D/Eficiente – Órgão informativo da comunidade”, patrocinado pelo HPRLLP-Centrinho;
  2. PUBLICAÇÕES: De 1990 a 1997, tivemos inúmeros artigos, reportagens e outros textos falando das deficiências e/ou seus portadores em diversos jornais e revistas locais e nacionais. Alguns desses textos tiveram publicações simultânea em mais de um jornal. Também assinamos “Colunas Especializadas”, em jornais durante algum tempo;
  3. PUBLICAÇÕES ESPECIALIZADAS: Fomos durante quatro anos colaborador fixo da “Revista Integração”, publicação trimestral, que era editada em São Paulo. Tivemos algumas publicações no jornal “Desafio de Hoje”(RJ), o único totalmente voltado à temática publicado no Brasil;
  4. JC-CRIANÇA: Escrevemos uma edição especial “falando sobre deficiência para o “JC-Criança”, de 28 de novembro de 1993, suplemento Semanal do Jornal da Cidade;
  5. PRIMEIRO LIVRO: Em termos de publicação em forma de livro, a Editora Memnon lançou, em 1993, o nosso trabalho “Vamos conversar sobre crianças deficientes?”, cuja primeira edição encontra-se esgotada;
  6. LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO: Paralelo ao trabalho de campo, realizamos uma ampla pesquisa sobre bibliografias relacionadas ao tema “Deficiência e Comunicação Social”, tanto nacionais, quanto internacionais;
  7. LITERATURA INFANTO-JUVENIL: Também recolhemos material bibliográfico com relação a imagem da pessoa com deficiência na literatura infantil e juvenil;
  8. CPPD: Para facilitar o nosso contato com as publicações e também com relação a nossa pesquisa, criamos em 1994 o Centro de Pesquisa e Divulgação sobre Portadores de Deficiências – CPPD, projeto piloto onde fomos Diretor Executivo até outubro de 1996, encerrando o projeto;
  9. IMAGEM: Visando aprofundarmos em conhecimentos, realizamos um aprofundado estudo intitulado “Imagem e Conceito Social da Deficiência”, publicado em cinco capítulos (entre maio de 1995 a outubro de 1996), pela revista científica “Temas em Desenvolvimento”, da Editora Memnon, SP. Há cópia na UEP;
  10. PRIMEIRA MONOGRAFIA: Realizamos um amplo estudo sobre as principais publicações brasileiras (extintas e em atividades), voltadas às questões da deficiência. Em seguida, escrevemos a monografia intitulada “Deficiência e Comunicação Social Alternativa no Brasil”, cuja cópia encontra-se na Unidade de Estudo e Pesquisa-UEP, e sua publicação está em estudo em uma importante editora do país;
  11. RECORTES DE JORNAIS: Também repassamos para o acervo da UEP, dentre outros materiais, uma grande coleção de recorte de jornais e revistas sobre deficiências e seus portadores, sobretudo, publicados nos veículos locais;
  12. MANUAL DE REDAÇÃO: Em 1996, escrevemos outros trabalhos dirigidos à jornalistas e publicitários, intitulado “Pessoas Portadoras de Deficiência: Dicas e reflexões para redação e produção de imagem”, sem publicação prevista, mas já com os direitos autorais reconhecidos pelo Escritório de Direitos Autorais da Biblioteca Nacional, RJ;
  13. PALESTRAS: Relacionado com a nossa pesquisa, fomos convidados para falar sobre a mesma em três importantes eventos nacionais: No “II Congresso Nacional de Psicologia da Libertação”, São Paulo, setembro de 1995; “I Simpósio o Portador de Deficiência e a Sociedade: Passado, Presente e Futuro”, Maringá-PR, novembro de 1995 e no “I Worshop Barreira Arquitetônicas”, Centro Acadêmico dos Estudantes de Arquitetura da UNESP-Bauru, setembro de 1996;
  14. CURSO: Também, ligado a Comunicação Social, em 1996, ministramos palestras e mini-cursos intitulado “Educação Inclusiva: O aluno portador de deficiência na sala de aula”, através do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo-APEOESP. Cópia da apostila utilizada encontra-se na UEP;
  15. LISTA DE LIVROS: Em conjunto com a Dr.ª Suely H. Satow e do Prof. Romeu K. Sassaki, fizemos um levantamento à nível nacional, chegando a 52 livros sobre deficiência escritos por autores portadores de deficiência. A lista foi amplamente divulgada;
  16. DOCUMENTÁRIOS: Na área dos documentários podemos destacar dois: “Nem São Francisco Sabia… (A história do Centrinho de 1967 a 1995)”, cuja já apresentamos o relatório final e seus originais estão disponíveis no HPRLLP. O segundo “O Deficiente e o Transporte (História de uma luta social em Bauru – 1990/94)”;
  17. NÃO CONCLUÍDO: Em 1996, demos início a um grande documentário intitulado “Centenário de Bauru: O portador de deficiência no contexto municipal”. Apesar de sua realização contar com a aprovação de nossa Superintendência, não chegou a ser concluído por falta de estrutura material;
  18. TRABALHOS ESPECIAIS: Ajudamos a produzir o primeiro número da “Revista APIECE”, da Associação de Pais para Integração Escolar da Criança Especial, em 1995. Editamos dois trabalhos especiais: O primeiro número (setembro 1996) do jornal “Notícias do CAd\E”, do Centro de Apoio ao d/Eficiente, entidade onde ocupamos o cargo de Diretor de Comunicação Social por três meses. E o primeiro número (jul/agos/set. de 1997) do “Jornal PROFIS”, da Sociedade de Promoção do Fissurado Lábio-Palatal, pelo qual recebemos o título de “Sócio Benemérito” da entidade;
  19. PARTICIPAÇÃO: Divido a essas atividades, recebemos dois importantes convites: Primeiro, para sermos membro permanente das Comissões Temáticas do Conselho Estadual para Assuntos das Pessoas Portadoras de Deficiência, junho de 1996, não tomando posse. Em seguida, julho, passamos a ser correspondente em Bauru do Centro de Vida Independente ”Araci Nallin”, sediado no prédio do Centro Acadêmico de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional da USP/SP, o qual ainda mantemos contato;
  20. ARTIGOS ESPECIAIS: Entre todas essas publicações, dois artigos exclusivamente abordando o tema merecem destaque: “Deficiência, Comunicação Social e o Programa de Ação Mundial! (Algumas reflexões)”, e o segundo “A Imagem do Portador de Deficiência Mental na Sociedade e nos Meios de Comunicação”, tendo esse várias publicações em órgãos diferentes, inclusive no exterior;
  21. OBRA COMPLETA: Reunindo todas as nossas publicações em geral e também textos inéditos, organizamos uma antologia dividida por capítulos, intitulada “Escritos sobre às deficiências e seus portadores”, havendo uma cópia na UEP;
  22. VÍDEO: Apresentamos dois trabalhos para a TV-Centrinho: “Bauru: O portador de deficiência, sua educação e preparação para a cidadania”, pesquisa e roteiro, 1996. “O outro lado do INSS”, pesquisa e argumento de programa, 1997. Ambos não foram produzidos;
  23. INFORMÁTICA: Orientado pelo Prof. Alexandre Galvani, concluirmos o curso de Programação em CLIPPER, 72 horas, pela True Informática – Treinamentos Especializados. Direcionados o curso para o nosso campo de atuação, escrevendo ao seu término a monografia “A programação na linguagem CLIPPER5 e suas contribuições para a área das deficiências”, dezembro de 1996;



Projeto: “CENTRINHO 30 ANOS” – 1997

No ano de 1997, veio a nossa grande virada dentro do Centrinho, quando passamos a atuar junto ao Setor de Eventos, fase só de boas recordações.

Em março nos desligamos por completo da TV-Centrinho, vindo atuar junto a esse Setor, onde passamos a ser membro da equipe “Centrinho 30 anos”, desenvolvendo alguns trabalhos e colaborações, sendo:


  1. Nosso primeiro passo foi apresentar a equipe uma lista com 08 idéias a serem desenvolvidas. Algumas foram realizadas, outras não foram possíveis de realizar;
  2. Uma dessas ideias, foi a realização do “I Concurso Literário Escrevendo sobre o Centrinho”, tendo vários participantes;
  3. Ajudamos na elaboração de CD-RON “Todas as Faces do Centrinho”, onde fizemos algumas pesquisas e escrevemos alguns textos com dados históricos do HPRLLP, sobre as fissuras lábio-palatais e seus podadores e também sobre as deficiências auditivas;
  4. Em comemoração ao aniversário do Centrinho, escrevemos artigos com dados históricos para serem publicados na Coluna “Espaço Aberto” do Diário de Bauru. No total foram nove, mas por motivo de força maior, só dois chegaram a ser publicados;
  5. Também tivemos algumas poesias editadas no COFFEE BREAK, publicado pelo Setor de Eventos;
  6. Outro trabalho realizado em julho, foi a pesquisa e elaboração dos originais de um livro chamado “Os Profissionais do Centrinho Precisam Escrever… (Dicas de preparação e facilitação na redação de texto)”. O mesmo chegou a ser apreciado pelo corpo editorial do Hospital, não sendo aprovado. Revemos todo o texto com a ajuda do professor de português e redação, Luíz Vítor Martinello, para ser reapresentado;
  7. Também desenvolvemos um projeto para o Programa “Você Decide”, do Núcleo Herval Rossano, Central Globo de Produções-RJ. Após uma pesquisa e conversas com profissionais do HPRLLP, escrevemos um argumento e roteiro chamado “Carisma”, narrando a história de um bebê que nasce com fissura lábio-palatal. O mesmo foi rejeitado pela emissora, mas pretendemos reescrevê-lo e apresentar para algum produtor independente;
  8. Baseado em pesquisas anteriores, escrevemos um longo artigo científico denominado “Os vários aspectos que envolvem as fissuras lábio-palatais e a vida de seus portadores”. Após ser normalizado pela UEP, o mesmo foi publicado pela Revista “Temas sobre Desenvolvimento”, v.6, nº 34, 1997. O mesmo recebeu uma carta de elogio da superintendência do Hospital;
  9. Como trabalho extra, ajudamos a fazer o primeiro e o segundo número do JORNAL PROFIS, recebendo o título de Sócio Benemérito da entidade;
  10. Por fim, escrevemos o prefácio do livro que reúne os trabalhos dos autores participantes do concurso literário.
  11.  


Projeto: “O PORTADOR DE FISSURA LÁBIO-PALATAL E/OU DE OUTRAS DEFICIÊNCIAS COMO PERSONAGEM DE FICÇÃO: DOS MITOS A REALIDADE SOCIAL” – 1998

Considerando ser às questões que envolvem às fissuras lábio-palatais e a realidade da vida de seus portadores serem temas que até os dias atuais restrito só ao meio científico, nota-se a sua ausência nos meios artísticos e literários. Motivo pelo qual – uma vez em que acreditamos no poder da literatura e demais meios culturais para desmistificar mitos e formar conceitos de forma natural -, desenvolvemos ao longo desse ano um  projeto intitulado “O PORTADOR DE FISSURA LÁBIO-PALATAL E/OU DE  OUTRAS DEFICIÊNCIAS COMO PERSONAGEM DE FICÇÃO: DOS MITOS A REALIDADE SOCIAL”.

O trabalho principal foi a novela-romanciada que escrevemos, tendo o título “A FÁBRICA DE SORRISOS”. Seu cenário principal foi o próprio Centrinho. O enredo girou em torno de uma criança que nasce com fissura lábio-palatal e durante o seu tratamento vão entrando outros personagens na trama, permitindo mostrar várias “estórias” paralelas a do protagonista. Sobretudo, estaremos sempre buscando o lado positivo da questão.

Durante o trabalho de escrita, também pesquisamos e lemos bastante sobre o assunto (fissura lábio-palatal e realidade social) e com relação às técnicas literárias, visando sempre transmitir uma visão certa e normalizadora, além de buscar construir um texto de forma correta.

Em nossa monografia apresentamos seis ensaios (capítulos) que vão desde algumas teorias literárias, passando pela história e participação das pessoas com deficiência nas artes, teorizamos sobre a possível relação das pessoas com fissuras lábio-palattal (ou outras deficiências) com a literatura, concluindo, por fim, narrando como foi a pesquisa e redação de nossa novela.

Vale destacar que o presente estudo foi apenas uma pequena introdução ao assunto. Trata-se de um tema profundamente rico, o qual pretendemos nos enveredar ainda mais e escrever – no próximo ano – alguns artigos científicos sobre as relações das deficiências com a literatura.


PROJETO: INVESTINDO NA INFÂNCIA ATRAVÉS DA ESCRITA – (Uma proposta para a criação de uma página infantil no do jornal EM FOCO) – 1999/2000

Considerando ser o jornal EM FOCO – Informativo do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais/USP e FUNCRAF – um projeto que vingou, hoje ele já faz parte da realidade da família Centrinho. Circulando entre profissionais do Hospital, pacientes e seus familiares e a comunidade em geral, EM FOCO tem atingido cada vez mais número de pessoas. Porém, acreditávamos existir um público especial o qual o jornal poderia também investir com criatividade e talento: a criançada!!!

O número de crianças que circula no Centrinho é algo considerável. Muitos passam horas inteiras nas salas de espera, alguns até um pouco impacientes. Essa página infantil seria uma forma de distrai-los, juntamente com o trabalho das recepcionistas, dirigida não só aos nossos pacientes, mas também aos filhos e conhecidos de nossos funcionários, uma fez em que muitos levam o jornal para suas residências.

No presente projeto apresentamos além de uma síntese da nossa idéia, algumas teorias literárias infantis, utilizadas para elaborar e dar subsídios para a elaboração do mesmo.

Acreditamos que a página infantil do EM FOCO poderia ter o seu lado de entretenimento, trazendo pequenos textos e poesias de autores conhecidos, curiosidades, brincadeiras (tais como desenhos para colorir, adivinhações, etc), cartinhas dos pequenos leitores outras coisas.

Por outro lado, a página teria o seu lado pedagógico e informativo. Isto porque, a criança é, naturalmente, um ser curioso, a qual está descobrindo o mundo que a cerca. Às vezes, buscava resposta para coisas estranhas ao seu mundo. Nem sempre os adultos têm, ou sabem dar tais respostas embaraçosas, negando muitas vezes informações corretas às crianças. Motivo pelo qual pretendíamos criar personagens exclusivos e específicos para página que levava – através de suas aventuras e narrativas a cada edição -, a criança de maneira descontraída a conhecer todo o universo do Centrinho e o mundo que a cerca. Assim, através de uma criação de Napoleon Akihito Fujisawa, surgiu a Turma do Centrinho; o Lilo, o caçula da turma; a Tuca, irmã do Tato, um garotão metido a sabido; o Vô Zico; o Tocha, nosso cachorrinho trabalhão e o Rolinho, que tem esse nome porque é um caracol todo enroladinho.

Trabalho em equipe


  • Realizamos este trabalho em equipe, reunindo-nos regularmente com o pessoal que produz o EM FOCO, visando discutir a ideia, escolher pauta da página e material produzido a ser publicado. E de tempos em tempos, juntos, avaliarmos e/ou repensarmos o projeto;
  • Também estávamos em constantes contatos e diálogos com o desenhista que criou a parte visual de nossos personagens e ilustrações de nossas narrativas/relatos;
  • E, a medida que formos escolhendo os temas e/ou lugares os quais nossos personagens foram visitando em suas aventuras, pretendíamos antes irmos até lá conversar com seus profissionais e conhecer o setor, o que facilitava a nossa composição.


Todavia, tínhamos como objetivos futuros, essa página infantil foi como um projeto piloto, um modo de criação, experimentação e adequação junto ao pequeno, mas grande exigente público infantil. Futuramente, no que diz respeito aos nossos personagens especificamente criados para educar, divulgar e mostrar a realidade do Centrinho junto as crianças, pretendemos:


  • Elaborar e editar pequenos livros infantis para serem distribuídos junto aos nossos pacientes, em escolas, clubes e outros segmentos;
  • Tentar levar esses personagens e suas aventuras para as páginas dos suplementos infantis dos grandes jornais do município;
  • E, a médio e longo prazo, escrever e mondar uma peça com “A Turma do Centrinho”, para percorrer escolas, clubes, associações de moradores e outros segmentos de Bauru e região.



EM FASE DE CONCLUSÃO E ÚLTIMAS ATIVIDADES

Embora estejamos sendo desligado do Hospital, temos algumas atividades as quais pretendemos concluir. Estamos terminando a nossa monografia da última pesquisa descrita e também com a publicação de alguns artigos científicos descriminados abaixo:

Publicações de nossa autoria em 1999 e 2000:


  1. DEFICIÊNCIA E IMPRENSA ALTERNATIVA NO BRASIL. Temas sobre Desenvolvimento, v.8, n.44, p.38-42, 1999.
  2. A DEFICIÊNCIA: ASPECTOS SOCIAIS DA REABILITAÇÃO E TRABALHO INTERDISCIPLINAR. Temas sobre Desenvolvimento, v.9, n.49, p.40-51, 2000. Artigo escrito em parceria com a Doutora Maria Inês Graciano.
  3. 500 OUTONOS DE PROSA E VERSO. Volume II – São Paulo; Arnaldo Giraldo, 2000. Nesta antologia publicamos o conto “O caso da mulher-dama”, onde na biografia é citado o Centrinho.


A serem publicados ainda em 2000:


  1. AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO CONTEXTO DA LITERATURA INFANTO-JUVENIL E DIDÁTICA”. Artigo de 27 páginas a ser publicado pela MIMESIS – Revista da Área de Ciências Humanas da USC, volume 21, número 1, ano 2000.
  2. LETRAS DESAPERCEBIDAS: OITO ENSAIOS SOBRE AS RELAÇÕES DEFICIÊNCIAS & LITERATURA. Trabalho a ser publicado em oito capítulos pela Revista Temas sobre Desenvolvimento.

OBS: Os dois trabalhos acima são fruto da pesquisa “O PORTADOR DE FISSURA LÁBIO-PALATAL E/OU DE OUTRAS DEFICIÊNCIAS COMO PERSONAGEM DE FICÇÃO: DOS MITOS A REALIDADE SOCIAL” de 1998.

Bauru, 03 de novembro de 2000.

EMÍLIO FIGUEIRA

A Fissura Labiopalatal de Guignard

EM FOCO, informativo do Hospital Centinho/USP e Funcraf – ano 3 – número 34 – Bauru, fev/março de 2002.


Novas e Importantes Tendências Para a Reabilitação, Integração Social e Nas Artes Para os Portadores de Deficiência

Relatório original apresentado ao Superintendente do “Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais” – HPRLLP-USP, em outubro de 1995.