DIGITANDO COM UM DEDO - O Legado de Emílio Figueira à Inclusão Brasileira

 


Montado a partir de fotos, recordes de jornais, revistas e com depoimentos inéditos de Emílio Figueira, este documentário experimental “Digitando Com Um Dedo: O Legado Silencioso De Emílio Figueira À Inclusão De Pessoas Com Deficiência No Brasil” reconstitui parte dos quarenta anos em que, por ter uma vida restrita pela paralisia cerebral, ele fez do jornalismo, da psicologia e da ciência, suas armas “solitárias” em prol das questões das pessoas com deficiência no Brasil. Destacando suas principais influências e obras na área, o filme é baseado em um texto de sua amiga de infância, a pedagoga Deise Tomazin Barbosa, narrado pela atriz e diretora teatral Nina Mancin.

CRÉDITOS: Baseado No Texto De Deise Tomazin Barbosa, Narração Nina Mancin, Depoimentos Inéditos Emílio Figueira, Imagens Arquivo Pessoal Acervo Inclusivo Emílio Figueira, Fotos Da AACD / Agradecimentos à Alice Conceição Rosa Ramos - Superintendente Clínica, Filmagem Ivone Leal, Scaniamento De Documentos Ana Luiza Ochiai, Montagem E Edição Rubens Castro,

Apoio Cultural Cia Teatral Olhos De Dentro e Projeto “Ita Vita” – Fotografia, Arte E Inclusão. Figueira Digital, São Paulo, 2022.

Emílio Figueira - Escritor

Por causa de uma asfixia durante o parto, Emílio Figueira adquiriu paralisia cerebral em 1969, ficando com sequelas na fala e movimentos. Nunca se deixou abater por sua deficiência motora e vive intensamente inúmeras possibilidades. Nas artes, no jornalismo, autor de uma vasta produção científica, é psicólogo, psicanalista, teólogo independente. Como escritor é dono de uma variada obra em livros impressos e digitais, passando de setenta títulos lançados. Hoje com cinco graduações e dois doutorados, Figueira foi professor e conferencista de pós-graduação, principalmente de temas que envolvem a Educação Inclusiva. Atualmente dedica-se a Escrever Roteiros e projetos audiovisuais.

Postagem Anterior Próxima Postagem