A Incômoda Imagem Das Pessoas Com Deficiência

 


Revelando os ataques que sofre desde 2019 por lutar pela Inclusão no Brasil, Emílio Figueira relembra os estudos do psicanalista francês Pierre Fédida. Ele dizia que a imagem da pessoa com deficiência muitas vezes é como um “espelho perturbador” na sociedade. Incomoda por trazer à tona medos inconscientes, a impotência em reconhecermos nossas próprias deficiências, nossas próprias debilidades. Essa imagem perturbadora derruba falsos conceitos que somos perfeitos, falsas sensações de beleza. E muitos querem evitar ficar de fronte a uma pessoa com deficiência justamente para não perturbá-los em seus egos fragilizados e inseguranças mais secretas. 

Por fim, refletindo sobre esses ataques em geral, Figueira lê um trecho de seu livro de ensaios psicanalíticos “Quando Narciso Tentou Assassinar a Democracia”:

“Em suma, as redes sociais se tornaram grandes divãs coletivos, onde atos racistas, homofobias, ódios e preconceitos, psicanaliticamente, falam menos das vítimas e muito mais de quem manifesta intolerância. Eles se revelam pessoas infelizes, com históricos de sofrimentos que contribuíram com sua baixo autoestima. E ao atacarem o outro, sem perceber, essas pessoas expõem publicamente suas próprias fragilidades, mutilações psíquicas e profundas limitações mentais.”

#emiliofigueira